A Importância da Harmonia dos Vinhos com a Comida

A Importância da Harmonia dos Vinhos com a Comida

O tema é tão controverso quanto ingrato, há hábitos, tradições ou simples gostos pessoais, que de alguma forma tornam esta temática pouco consensual.

Por isso, ou por causa disso, é normal existirem afirmações que apontam para a inexistência de regras nesta matéria.

Porém, existem factos inegáveis, um determinado vinho, apresenta-se em bom nivel com determinado prato, não apresentando o mesmo nivel quando consumido com outro tipo de prato, muitas vezes até com um nivel sofrível.

Existem assim, principios/conceitos, que importa conhecer e respeitar.

O primeiro conceito é a harmonização entre o vinho e a comida, como? Havendo respeito mútuo entre os aromas e sabores da comida e do vinho, é um comceito óbvio, no entanto não é de fácil apreensão.

Entre os fatores a ter em conta na harmonia do vinho com a comida, realçam-se: o peso, a intensidade aromática, a acidez, os taninos, o açucar, em todos eles, na harmonização da comida e do vinho, e ainda, o sal, no que respeita à comida.

Assim, podemos afirmar que:

1. Devem-se acompanhar pratos leves com vinhos leves e pratos pesados com vinhos encorpados;

2. Quando a comida é aromatizada os vinhos devem possuir aromas semelhantes;

3. O vinho deve ser sempre mais ácido do que a comida;

4. Se os sabores da comida forem realçados pelo sal, vinhos encorpados e/ou de sabor intenso saem claramente prejudicados;

5. No caso de vinhos ligeiramente adamados acompanham muito bem pratos de peixe ou carne com notas adocicadas;

6. Se os vinhos são muito taninosos, não devem acompanhar alimentos ácidos e/ou ricos em proteinas (queijos frescos, ovos, etc.)

Voltaremos a este tema em futuras publicações, dando exemplos destas relações.

Veja os aromas e condimentos que temos para lhe oferecer, assim como a nossa gama de vinhos, nos nossos Cabazes, e em www.roteirodesabores.pt.